A história dos "juros altos"

Se um correntista tivesse depositado R$ 100,00 (cem reais) na Poupança no dia 1º de julho de 1994 (data de lançamento do Real), ele teria hoje na conta a quantia de R$ 374,00 (trezentos setenta e quatro reais).

Se esse mesmo correntista tivesse sacado R$ 100,00 (cem reais) no Cheque Especial, na mesma data, teria hoje uma dívida de R$ 139.259,00 (cento e trinta e nove mil e duzentos cinqüenta e nove reais).

Ou seja: com R$ 100,00 do Cheque Especial, ele ficaria devendo 9 carros populares.

Com a Poupança, conseguiria comprar 4 pneus.

Não é a toa que o Bradesco teve quase R$ 2.000.000.000,00 (dois bilhões de reais) de lucro liquido somente no 1º semestre, seguido de perto pelo Banco Itaú. Dá para comprar um outro Banco por semestre.

E os juros dos cartões de crédito?

VISA cobra 10,40 % ao mês
CREDICARD cobra 11,40 % ao mês

Em contrapartida a Poupança oferece 0,79 % ao mês.

(distribuido pela Internet em jun-2005)

 

Taxas Médias de Juros Vigentes no Mercado

Consumidor

Out-2005 (%)

Juros cobrados pelas Lojas (Comércio) 6.10
Cartão de Crédito 10.30
Cheque Especial 8.23
Crédito Direto ao Consumidor - Bancos 3.48
Empréstimo Pessoal - Bancos 5.67
Empréstimo Pessoal - Financeiras 11.68

Taxa Média

7.58
   

Empresas

 
Capital de Giro 4.20
Desconto de Duplicata 3.77
Desconto de Cheque 4.0
Conta Garantida 5.61

Taxa Média

4.40
Fonte: Estadão, 11-nov-2005

 

JUROS E RISCO-BRASIL

Valor Econômico, 25-abr-2006

Risco Brasil segue aos 231 pontos, em alta; Global 40 opera estável

SÃO PAULO - Um dos principais termômetros da confiança dos investidores na economia, o EMBI+ Brasil, calculado pelo Banco JP Morgan Chase, subia 1,32% às 19h25, aos 231 pontos. Na sexta-feira, o risco-país fechou aos 228 pontos.

No mercado secundário de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40 indicava estabilidade, transacionado a 128,188% do seu valor de face. O segundo papel mais representativo do índice do JP Morgan, o Global 18 ou A-Bond (Amortizing Bond ou Bônus de Amortização) valorizava-se 0,17%, para 108,25% do seu valor de face.

Sobre o EMBI+ Brasil

O Emerging Markets Bond Index - Brasil é um índice que reflete o comportamento dos títulos da dívida externa brasileira. Corresponde à média ponderada dos prêmios pagos por esses títulos em relação a papéis de prazo equivalente do Tesouro dos Estados Unidos, tido como o país mais solvente do mundo, de risco praticamente nulo.

O indicador mensura o excedente que se paga em relação à rentabilidade garantida pelos bônus do governo norte-americano. Significa dizer que a cada 100 pontos expressos pelo risco-Brasil, os títulos do país pagam uma sobretaxa de 1% sobre os papéis dos EUA.

Basicamente, o mercado usa o EMBI+ para medir a capacidade de um país honrar os seus compromissos financeiros. A interpretação dos investidores é de que quanto maior a pontuação do indicador de risco, mais perigoso fica aplicar no país. Assim, para atrair capital estrangeiro, o governo tido como " arriscado " deve oferecer altas taxas de juros para convencer os investidores externos a financiar sua dívida - ao que se chama prêmio pelo risco.