O PREÇO DA PRESSA (OU DA FALTA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO)

Você quer comprar um carro cujo preço à vista de fato é hoje de R$ 50.000 (isto é, o preço que NÃO seja do tipo "preço à vista que pode ser pago em x parcelas sem juros").

Você tem duas alternativas:

1. Aplicar mensalmente R$ 1.226,06 (postecipados, em Reais constantes de hoje) durante 3 anos, em um Fundo de Investimento que pague 0,7% ao mês real (isto é, descontando a inflação e o imposto de renda retido na fonte – este em torno de 20%). Passado esse tempo, sacar o saldo do Fundo e comprar o carro à vista (supondo que seu preço tenha acompanhado a inflação, isto é, o preço do carro não tenha nem aumentado nem diminuido em termos reais nesse prazo). O total aplicado no Fundo nesses 3 anos terá sido de R$ 44.138,20 (88,3% do valor do carro) e o seu saldo R$ 50.000,00.

2. Entrar de posse desse carro , através de um financiamento bancário à taxa de juros reais de 3% ao mês, pagando por esse financiamento R$ 2.290,19 todo mês (postecipado, em Reais constantes de hoje), durante os mesmos 3 anos. O total pago ao Banco nesse prazo terá sido de R$ 82.446,83 (164,9% do valor do carro).

O que você terá pago A MAIS para ter o carro hoje, R$ 38.308,63 (76,6% do valor do carro), terá sido o custo da sua pressa, por não querer esperar 3 anos para adquirir o carro pelo preço à vista. Por outro lado, a sua falta de planejamento financeiro terá rendido ao Banco R$ 32.446,83 (juros recebidos).